25 de fevereiro de 2009

A dor da despedida

Filho, infelizmente, você também vai saber que nenhuma despedida é fácil. A de hoje então deixou a mamãe de coração apertado... só de pensar nesse dia, eu já estava sofrendo, mas não foi possível evitar: sua vó precisou voltar para casa. Saiu agora há pouco daqui... O feriado de Carnaval terminou, hoje é quarta-feira de cinzas e, amanhã, ela já recomeça a rotina em BH. Mamãe tá aqui chorosa, triste. Fazer o que, né?! A recompensa é que você é o meu amor e está coladinho. A tristeza maior é de não morar na mesma cidade. Vê-la indo e saber que você vai perder o colinho de depois de cada mamada, das noites, os braços que te seguravam nos banhos desde a chegada da maternidade... as cantigas, o "xuuuuuuuuu" no pé do ouvido para alcamar. Mamãe queria que você já tivesse aprendido a reconhecer a voz dela... Vivi todos esses momentos tentando evitar pensar nisso, mas nesses últimos dias, não teve jeito. Vovó foi embora agora com o tio Pedro e o vô Alexandre e pediu para a mamãe não ficar assim, porque ela também fica triste. Vou tentar até porque não quero que você sinta nada de negativo. A sua chegada foi só alegria e a sua vida também só é motivo de comemoração. Quando eles saíram, você estava mamando... depois, ainda te segurei no colo um tempo - você estava todo emboladinho - delícia! - te fiz declarações de amor, mas resolvi deixar você no seu bercinho para escrever. Acho que falar dessa tristeza aqui talvez possa ajudar.
Foram 12 dias de uma ajuda preciosa, que a mamãe nem sabe como descrever. Vovó se dedicou por inteiro. Talvez tenha se cansado mais até do que a mamãe. Ela também fez a maior parte do seu diário de bordo, enquanto eu te amamentava. Vamos guardar tudo! Anotava o tempo das mamadas, o horários do Mylicon, funchicória e até troca de fralda com cocô, se fosse de madrugada. Mamãe vai continuar com os registros... Nesses dias, ela interpretou traços da sua personalidade. Disse até que você é voluntarioso. Ou seja, se não quer, não quer... A definição veio depois de uma noite de muito mal estar em que depois de ter arrotado, feito cocô, recebido fralda nova e muita ninada, ainda estava bravo, se contorcendo... chorando. Vixe! Mamãe tá torcendo para as noites não serem muito duras, principalmente as próximas. Seu pai ainda tá sarando da gripe que o derrubou nos últimos dois dias e a mamãe tá tentando se livrar de uma que começou nesta madrugada, com dor de garganta. Pelo menos, vovó deixou de herança, entre outras coisas, a descoberta do banho relaxante. É, na hora que a coisa aperta e que a gente sabe que não são gazes, temos no banho de água quente o grande aliado para te acalmar. Ontem, depois dele, você mamou e dormiu. Mamãe espera ter aprendido com a vovó a reconhecer se um movimento é de dor ou de fissura, que pode ser contornado com uma mamada... certamente, muitas lições vão ficar. Se vovó disse que estava aprendendo a ser uma boa avó comigo, eu também vou aprender a ser uma boa mãe com ela. Apesar da tristeza da despedida, tê-la por aqui nesses dias foi um privilégio. Nós dois sabemos disso.

Vô Alexandre e tio Pedro

Outros dois amores na sua vida. Tio Pedro te olhava e dizia: "Gente, como pode uma coisinha assim tão pequena?!"; "Que coisa fofa!".... hoje cedo, ajudou a mamãe a trocar a sua fralda. Te pegou no colo, todo responsável e orgulhoso. Esse tio.... saiu daqui dizendo: "A gente volta viu, Rafa!?"

Vô Alexandre ajudou muito a vovó na primeira noite de gripe do seu pai. No dia seguinte disse: "Depois que a gente pega, parece que aumenta o amor!". Você gostou do colinho dele também. Mamãe tem tanto orgulho dessa família.

Você tá fazendo um barulhinho... mamãe tá indo ver...
Quinze minutos depois....
Você mamou mais um pouquinho, já arrotou e agora tá deitadinho no colo... mamãe já aplacou a tristeza.

Um comentário:

Margareth disse...

Oi Pri, Marco e Rafael,

é muito bom ver vocês curtindo esse momento tão especial.

Rafael é fofinho, esperamos em breve poder vê-los pessoalmente.

Beijos, Tia Gha.