19 de fevereiro de 2009

Ser avó




As pessoas me perguntam: como é ser avó? O que voce está sentindo em ser avó?
Antes de me materializar em uma avó de verdade, eu dizia que ser avó de um neto de filha era algo maravilhoso pois através das fases da gravidez eu podia me identificar com os anseios e expectativas da filha (futura mãe). Como para toda mulher, algumas questões sempre se repetem no imaginário das mães. Mas agora que me tornei de fato uma avó, pois tomo nos braços o sujeito que me colocou definitivamente nesta posição, tenho refletido sobre várias coisas e experimento novas questões, absolutamente diferentes de tudo que eu podia supor saber. Eu deveria ser alguém avisada destes equívocos depois de ter terminado minha análise, mas, como todo ser humano, sofro dos esquecimentos estruturais e descobri que nunca se sabe muita coisa de nada e que os saberes fundamentais sobre o "ser" são construídos na relação com os outros...
É claro que alguma coisa eu sei, não virei de uma hora para outra uma despreparada! Sei perceber quando o incômodo do nenê advém da fome e quando é um mal estar provocado pela ingestão demasiada de leite. Sei acalentá-lo da angústia do desamparo experimentada pela liberdade de movimentos que ele tem agora fora de seu ninho uterino! É claro também que sei como ajudar a filha querida a evitar que o nenê transforme seu seio em uma chupeta materna, ficando o tempo todo pregado à seu corpo. Sei ajudá-la a ter tempo para aliviar suas dores corporais resumidas no corte da cesariana, no inchaço absurdo do corpo, na dor dos mamilos que insistem em dificultar a decisão de amamentar o filho "custe o que custar".
Verifico o quanto o desejo cobra seu preço e quanto à isso, uma psicanalista que está na posição de avó materna deveria saber como negociar este preço. Mas, ser avó me mostrou que todo o saber do mundo, adquirido pela própria experiência de ter também vivido esses tempos de mãe de récem- nascido e de ter feito dos livros de psicologia meus maiores companheiros, não servem de muita coisa quando voce é chamada à ajudar uma filha neste inicio de vida como mãe. Aí sim, ser avó de filha também tem uma especificidade, pois me coloquei à sua disposição dia e noite para ajudá-la e negligenciei com o fato de que o pai pudesse estar ficando "de escanteio" num jogo em que ele é de fato e de direito um dos personagens mais importantes. Neste momento, o nenê passa a ser o centro das atenções. A filha tem um lugar de destaque e está amparada pela mãe que saiu de BH e veio para preencher suas necessidades. E o pai? Cheguei à conclusão de que, se eu não atentasse para essa questão (descoberta em conversas com a filha amorosa e atenta), toda a minha dedicação poderia se transformar em algo bastante pesado para ele e tudo estaria perdido. As boas intenções não são suficientes para que o outro se sinta de fato considerado em sua singularidade.
Agora quero dispor de meus cuidados sem aparecer demais... Não quero me fazer tão necessária!! Fico no meu canto esperando que minha presença se faça realmente desejada, não só pela filha que me quer verdadeiramente do seu lado, mas também quando sei que o pai não se sentirá invadido nem desprestigiado. Minha filha tem me ajudado a ser uma boa avó.
Manejo com a difícil tarefa de não tomar partido em relação à filha querida e nem demonstrar muito saber... Que as coisas apareçam na medida do tempo que se fizerem necessárias. Assim, espero que eu possa ajudar ambos (mãe e pai) e que, dessa forma, meu netinho aproveite do clima harmonioso que a casa pode ter quando todos estão felizes com a presença sincera de outros.
Ser avó então é fazer um pouco de mágica e repetir todo o amor que se teve para com o filho de forma dobrada, pois a filha não é mais sua! Não sei se é mais fácil ou mais difícil ser avó do que mãe. Às vezes escuto que ser avo é ser mãe com açúcar... Não sei bem o que isto significa e, como não vejo muito valor no açúcar (por motivos óbvios), acho que só o amor pode trazer o doce que não faz mal. No entanto, amar não é coisa simples nem fácil e, por isso, estou ainda sem saber o que é ser avó! Posso dizer que vivo uma fase da vida que tem suas belezas, pois vejo na filha o prosseguimento de uma vida. Vejo também que a filha adquiriu a consciência de que há que se ter respeito pelo outro, mas que nunca deve se deixar de sustentar seus próprios valores sem deixar seus sentimentos em segundo plano. Acho que amar é um encontro e que o esforço de estar junto só justifica quando percebemos que o outro também sofre quando perde o seu lugar em nosso desejo.
Saber sobre o que é ser avó para mim, ainda está por ser inventado e eu não sei onde isso vai dar... Só sei que estou afim de me lançar nesta aventura de fazer existir um tempo para outra função, quando queixo de não ter tempo para nenhuma outra tarefa!
Acho que isso se resume em ser uma mulher e como eu já encontrei a essência deste "ser" no exercício do amor, eu o reviverei sendo uma avó.
Talvez isto possa fazer sentido para muitas avós, embora saiba que nem todos entenderão meu texto. Espero que minha amada filha tenha uma suposição de que entende o que eu digo e possa assim me ajudar a ser a cada dia de minha vida uma mehor avó para seu filho.

PS: Hoje é dia 18 de fevereiro, 13: 35 hs e eu fui ali no quarto e vi a filha e o neto dormindo... eu os amo do fundo do meu coração.

4 comentários:

Carol disse...

Nossa Priscilla!!!
Me emocionei com o que essa vó linda escreveu!
Tens uma mãe, e o Rafael uma avó espetacular!
Beijos

Priscilla disse...

Oi Carol, estou me perguntando como você apareceu por aqui... dê notícias. Obrigada pelos comentários.
Um abraço.

Marcia Amorim disse...

Amiga sàbia e especial esta Paula... Nova e difícil esta missäo de ser avó!
Beijos
¨da irmä de criaçäo¨
Marcinha

Priscilla e Marco disse...

Paula, hoje eu a Pri lembramos com saudade e carinho os momentos que vivemos juntos. Foi muito especial ter você por perto em um momento tão especial em nossa vida. A gente se lembra de você se jogando no chão, ah finalmente ele dormiu! Ou você imitando como ele fica se contorcendo todo, dando sinais que o bailão iria começar! Ele continua cada dia mais lindo e gordo, e logo você poderá matar a saudade dele, no sábado chegamos aí em Beagá.
Um beijo,
Marco