24 de fevereiro de 2010

O primeiro aniversário





fotos: Renata Angerami


Foi uma festa super bacana, a gente achou. Recebemos os amigos em casa e você se divertiu. A gente resolveu fazer por aqui mesmo porque achávamos desnecessário ir para um buffet na festinha de um ano. Além do mais, a gente sempre gostou de receber em casa e nunca tivemos problema com a bagunça que faz. Com alguém para arrumar, dá tudo certo depois.
Chamei as amigas mães mais próximas e apenas três ainda sem filhos. Era uma festa infantil, por isso a lista tinha de ser objetiva. Mas como seria em casa, tínhamos que restringir. Seu pai chamou alguns amigos do trabalho e eu fui mais cautelosa, com medo de virar uma insanidade aqui. Foi bom, porque estava cheia a casa, mas foi tudo na medida, graças a Deus.
Bem, na ante-véspera tive um contratempo, quando o buffet ligou para acertar tudo. Na primeira frase o: " então, sua festa vai ser no dia 21, domingo!" Eu quase pirei! como assim no dia 21? Você está enganado! 'E no dia 20, sábado!", esbravejei com o dono do buffet. Ele me assegurou que eu tinha mandado por email com essa data. Por email, filho? Batom na cueca, como diz o seu pai! Fui checar e tinha sido isso mesmo, me confundi 'big time' ! E agora, José? Acho que o cara percebeu o meu desespero. Eu dizia: " Mas Ademar, meus convidados virão no sábado, meus pais estão vindo de Minas, não vão estar aqui no domingo! Como eu faço? Tem que ser no sábado, me ajude!!!!!!!", já quase morrendo. Putis grila, já pensou no que ia acontecer?! Logo liguei pro seu avô, que tinha ligado momentos antes para falar da viagem. Pedi para ele fazer uma oração por lá para que o cara conseguisse prestar o serviço já que ele teria 9 (NOVE!) festas no sábado e não tinha gente para fazer a nossa! Que desespero! Eu só teria a resposta no dia seguinte, sexta-feira, pela manhã. Quase não contei pro seu pai, com medo da reação dele. Mas não resisti e confessei. Ele foi super compreensível, não falou nada quase. Só disse que não dava para gente esperar o cara dizer não, que era pra ligar logo cedo para uma conhecida bunqueteira para resolver, ainda que fosse custar uma fortuna! Mas o vovô já tinha anunciado: "Nesses casos é sim ou não, filha. Não existe meio termo. Se ele disse que ia ver, é porque vai dar para fazer!" E assim foi! Conseguimos manter a data sem muitos transtornos. O único porém, que eu também já previa, era a decoração. A Tia Laura tinha ajudado a gente a fazer o convitinho no tema Madagascar e mandamos emails com você pegando no pé da Zebra para os amigos. De repente, o dono do buffet disse que para o sábado não tinha mais o tema. Mas tinha uma decoradora para indicar! Era a solução, né?! Pagamos um pouco a mais e a moça já veio na sexta no início da tarde montar. Confesso que me assustei com o tamanho. O negócio parecia um Titanic na nossa sala, gigante. Ate coube, mas tivemos que mudar o sofá de lugar e ocupou muito mais espaço do que eu previa inicialmente. Queria deixar o centro da sala mais livre pra vocês brincarem, mas não teve jeito. Tudo bem... pelo menos veio. E era mais bonita também que a outra.

FAMÍLIA EM CASA
À noite, chegaram sua avó e avô. Tio Pedro e vô Alexandre acabaram ficando pra trás porque o tio esqueceu o documento e teve que voltar em casa, para pegar um voo só mais tarde. Os padrinhos chegaram cedo aqui, por volta das 17h30. Perdi a foto da chegada! Quando abri a porta e você estava de pé, do meu lado, vovó foi à loucura! Ajoelhou no passeio e abriu os braços para você! Foi lindo! Vovô ficou do lado, orgulhoso. Eles passaram todo o fim de tarde te curtindo, vendo você andar. Pena que a gente não mora na mesma cidade! Quando você já estava pra mamar e dormir, tio Pedro chegou com Alexandre secos de vontade de te ver. Mas foi coisa rápida.

O DIA DA FESTA

Você estava muito excitado e, como diz a vovó, o mundo ficou tão interessante que não conseguia dormir como faz normalmente. De noite ainda foi, mas acordou às 6h30 para mamar. Justo na semana em que eu não te amamentei quase dia nenhum para não te acordar, no dia de folga você levanta! É seeeeeeempre assim, filho! Você adivinha!
Então, mamou e percebeu que o vovô estava no quarto. Pergunta se dormiu de novo? Claro que não, né?! Acordou para vida. Ficamos com você os dois até umas 7h30, quando a vovó nos rendeu. Você passou a manhã super ligado. Foi dormir lá pelas 10h30 até 12h40, uma maravilha. Assim ia ter energia suficiente para o aniversário.

A FESTA

Começava às 16h, mas a mamãe se enrolou um pouco e, quando desceu, já tinha gente. Logo logo foi chegando mais... e você, várias vezes, ao ver os presentes dizia: " Abre, abre!" Como assim, filho? " Abre, abre!", com um ano! Parece até que sabia que eram para você. Essas teorias da psicologia infantil estão mesmo defasadas porque a vovó apontou umas coisas que você já faz e que os livros dizem que só bebês de 2 anos fazem.
A casa encheu. Foi muito bacana. Nós estávamos bem felizes com quem veio te prestigiar. Renata, amiga da Rê, foi chamada para fazer as fotos. Foi ótimo, porque nos despreocupamos com isso. Você no início estava meio chatinho, chorou um pouco quando eu te pegava para bater alguma, mas acho que é porque queria ficar no chão, porque não deu trabalho ao longo do tia. Não se ouviu um pio de reclamação. Você logo agarrou no brinquedinho que a Letícia e o Lúcio deram e ficou andando pela casa, que pegava fogo com as crianças mais velhas. Vieram várias: os dois deles, os três da Fê, o Vini da Tia Cris, os netos da Dorinha, a filha da Rose (gente, que agitação é aquela, Deus me acuda!), e outros mais velhos: Marina (só uma passadinha!); Davi (enteado da Pri); três Fraguinhas e depois o enteado do Cosme. Bebês tinham alguns também: seus amigos Sarinha e Lucas, o Bernardo, a Michelle da Vanessa e o Marco, da Tati. Todos lindos.
Faltou o Kauã que depois a mamãe descobriu que veio, no domingo, mas não bateu porque a Ju ficou com vergonha de incomodar! Que pena, filho! A gente passou o dia seguinte todo no quintal, na piscininha, e ele todo frustrado porque não comeu do bolo. Ah, nem! Eles tinham que ter batido, até porque a sua própria mãe confundiu as datas, então entende muito bem o caso! (Culpa daquela escala de Carnaval que nunca saia e eu não sabia se a gente ia ou não trabalhar neste fim de semana. Fiquei fazendo tantas especulações de datas em que o papai e eu estaríamos juntos à tarde que deu no que deu!)

A VELA E O SONINHO


Ainda durante a sua festinha, deu umas 7h da noite e eu me dei conta que tinha que cantar os parabéns. Seu pai já tinha distribuído as surpresinhas (bolinhas de sabão) de tanto que as crianças insistiram. Aí, o menino do buffet me pergunta, exatamente assim: " A senhora vai usar a sua vela ou a nossa?" [sic]. Eu fiz: "A de vocês, porque não comprei!" Claro que eu não comprei, uai! Se eles trazem, porque eu ia me preocupar com isso?! Daí ele fez: "É que a que a gente trouxe é de 3 anos!". Fala sério! Então por que perguntou e não me avisou antes, infeliz?! Imagine, filho: você fazendo um ano e a vela de 3 nas fotos? Mãe altista você não tem, então a chance era zero! Não deu outra, sua vó e vô foram comprar uma na padaria. E o seu vô Marcos te levou junto, sem eu saber. Comecei a te procurar e nada de você pela casa toda... o dono da festa saiu! rs.

OS PARABÉNS

Quando voltou, estava apagado! Vixe!!! Fui obrigada a decidir te acordar. Se deixássemos você dormir, só acordaria lá pelas 20h30, quando a festa e os amigos já teriam ido embora. A Fê, sua irmã, ficou por conta. Nem vi direito como foi que ela fez, mas quando você acordou estava todo simpático, todo sorriso... como se tivesse dormido um tempão! Eu achei ótimo, né?! Cantamos os parabéns e você estava super feliz.
Tiramos as fotos 'oficiais' e você ainda curtiu um tantão. Achávamos que você estava com sono por volta das 9h e fomos te dar um banho, mas você não quis nem saber de dormir depois de mamar. Estava agitadíssimo. Eu desisti e desci de novo com você, que ainda brincou e passeou com a tia Kika, vovô e só cedeu às 23h30, no colo, numa caminhada na rua. Ô agitação, hein?! Bom, pelo menos você curtiu. E nós adoramos! Viva!!!!!!!

22 de fevereiro de 2010

Maus hábitos de berço

Reportagem da Folha de São Paulo de hoje, 22 de fevereiro, 2010.
Ainda vou falar da sua festinha, mas mamãe resolveu publicar esse texto hoje para que quem não leu no jornal tenha a oportunidade de aprender ou, pelo menos, de entender porque eu sou tão disciplinada com a sua alimentação.

Pesquisa revela má qualidade da dieta dos bebês brasileiros; especialistas esclarecem as 20 principais dúvidas sobre o cardápio infantil

Uma das grandes certezas da vida é a de que os pais desejam dar aos filhos tudo do bom e do melhor. Poderiam, então, começar pelo básico: oferecer comida de boa qualidade quando os herdeiros ainda são bebês, algo que não ocorre de acordo com um estudo inédito da SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria).
O documento, que será publicado no "Jornal de Pediatria", mostra que a família brasileira está oferecendo alimentos cheios de gordura, açúcar, sal, corante e outros aditivos alimentares para bebês com quatro meses de idade.
Participaram do estudo 179 crianças, entre quatro e 12 meses, de famílias das classes A, B e C de São Paulo, Curitiba e Recife. O objetivo era saber o que elas comiam durante sete dias. As mães foram orientadas a anotar tudo em uma planilha.
No meio da papelada, apareceram lasanha pré-pronta congelada, macarrão instantâneo, refrigerante, salgadinho tipo batata chips, chocolate, suco artificial e muita bolacha recheada. Os bebês também bebem muito leite de vaca.
Nenhum dos alimentos citados acima deve entrar na alimentação dos bebês de até um ano de idade por terem baixo valor nutricional (engordam, mas não nutrem), serem ricos em gordura (inclusive trans), açúcar e sal. No caso do leite de vaca, por ser inadequado.

Maus hábitos
Outra constatação do estudo: os maus hábitos alimentares são generalizados. "Bebês dos três extratos socioeconômicos das cidades pesquisadas comem muito mal", diz Roseli Sarni, presidente do Departamento Científico de Nutrologia da SBP e uma das autoras.
"A alimentação da criança é reflexo da alimentação da família. Se a família tem hábitos não saudáveis, como o alto consumo de sódio (do macarrão instantâneo), de carboidratos simples (balas, doces) e de gorduras, a criança também terá."
Sarni suspeita que os pais careçam de informações sobre alimentação saudável, tanto para o bebê quanto para a família. "A falta de educação alimentar e nutricional aliada às práticas de marketing faz com que os pais se percam na hora da escolha alimentar."
A pediatra defende a adoção de políticas de educação nutricional e uma rigorosa legislação sobre a produção de alimentos para a mudança do panorama.

Self-service
Além de falta de educação alimentar, de ler e não entender os rótulos, Sarni suspeita que outro fator contribui para a má qualidade da comida infantil: os pais não sabem cozinhar. Fernanda Oening, 30, é adepta assumida do self-service.
"Nem sei como será quando a Clara começar nas papinhas, pois não tenho a menor intimidade com fogão e panelas", diz ela, que busca informações em sites ou com a mãe para não oferecer comida cheia de gorduras, sal ou açúcar à filha de cinco meses e meio.
Em breve, Clara entrará no mundo das papas de carne e legumes e é nessa etapa que moram todas as dúvidas de Fernanda. "Será que poderei usar sal, carne? Quantos legumes eu terei de colocar?", questiona.
Especialistas entrevistados pela Folha responderam a essas questões. E também às dúvidas sobre as mudanças que vêm sendo recomendadas desde 2008 pela SBP sobre as primeiras papinhas infantis, como a liberação do peixe e do ovo já aos seis meses de vida.
O peixe e o ovo só entravam no cardápio infantil entre oito e dez meses, pois contêm proteínas alergênicas. "Analisando trabalhos científicos, verificamos que não haveria limitação na introdução desses alimentos na dieta das crianças a partir dessa idade", explica Sarni.
Para Mauro Toporovski, pediatra da Santa Casa de São Paulo, as mães não precisam restringir a oferta por medo de uma reação alérgica.
Como toda mudança, essa também vem sendo adotada com cautela pelos pediatras. "Eles ainda têm muitas dúvidas sobre se podem, para quem pode e a partir de quando podem indicar", diz Sarni.


Mamãe de novo:
temos sorte em dois aspectos: seu pai é um cozinheiro de mão cheia e a sua babá também manda muito bem. Então você foi privilegiado. Por outro lado, eu nunca estimulei o consumo do que não é indicado. Palmas para todos nós.
Ontem, com vovó e vovô em casa, comeu arroz papa feito pelo papai, salmão e alface! rs. A sua papinha não adianta, quando está só conosco, não quer nem saber. É greve total. Mas, pelo menos já aprendeu a comer coisa saudável. Até rejeitou o biscoito de maizena que eu quase tive um troço ao ver na sua mão mais cedo!!!!hahahha
Tadinho do vô Alexandre, que deu sem saber! hahahahahaha

17 de fevereiro de 2010

Carnaval 2010! Nosso Batman preferido.





Festa de Carnaval no clube, foi o máximo. Em breve, mais fotos e a historinha!

1 ano! Parabéns!!!!!!!!!!!!!


Filho,
você completou um ano, que benção, que lindo! Parabéns, nós te amaaaaaaaaaaaaamos!
O dia do seu primeiro aniversário começou assim: você chorou forte, por volta de 00h55. Eu tinha passado a véspera pensando se isso ia acontecer, porque a Lidi conta que no da Sarah, ela chorou exatamente na hora em que havia nascido no ano anterior. No seu caso, foi um pouquinho mais tarde, afinal, você nasceu às 0h35. Na hora do choro, seu pai foi no quarto e te acalmou. Daí você dormiu até a hora em que te peguei, antes de sair, às 6h50 da manhã. Pensei até em ir trabalhar sem te pegar para não correr o risco de atrapalhar o soninho, mas não aguentei. Aproveitei para fazer uma oração, enquanto você mamava. Pedi que Deus te conserve como sempre esteve neste primeiro ano: um menino saudável, abençoado, feliz, ativo, inteligente, amoroso. Que Deus ilumine o seu caminho, as suas escolhas, a sua vida. Que você seja sábio, que a sua família permaneça unida, com saúde, e seja sempre a sua fortaleza. Fiz declarações de amor por mim, pelo papai, pelos avós... Foi um momento especial. Antes mesmo de sair de casa eu já estava pensando no quanto a data estava sendo importante pra mim. Lembrei das circunstância em que você nasceu - aquela coisa maluca do ultrassom me mandar para o parto - e concluí, mais uma vez, o quanto o tempo passa rápido. Antes de sair, confesso que estava me sentindo forte, orgulhosa e pensei que esta data é mais importante para nós do que pra você. Aliás, o seu aniversário é mais importante pra mim do que o meu próprio. É a data mais importante da minha vida até agora: o dia em que meu filho nasceu! Isso é demais!
Seu pai ligou de manhã dizendo que você estava lindo mas, antes, mandou uma mensagem assim: "Parabéns pelo filhinho!!! 1 ano!" Quanta felicidade a nossa!
Você passou o dia com a roupinha que a tia Bia mandou de BH por sedex. Chegou na véspera e a mamãe não resistiu. Junto veio um cartãozinho lindo em que ela dizia, entre outras coisas, que apesar de estar distante, acompanha o seu crescimento e que você tem tudo para ser um cara bacana. Aqui vai uma reverência da mamãe para ela: "Obrigada pelo carinho com a gente, isso não tem preço!"
Ao longo do dia recebemos várias ligações. A primeira foi do vô Marcos, que também mandou abraço e votos de felicidade pela tia Beth (mamãe não podia esquecer!). Vó Paula e tio Pedro ligaram também, no início da tarde e depois, quando cheguei em casa do trabalho. Até tentei te colocar na linha para falar um "alô", um clássico seu, mas você não estava animado não. Vovó pelo menos te ouviu falando "uhm, uhm..." mastigando, quando pegou um pedacinho do meu bife! hahahha.
Mais tarde, te levei no playbaby, pra sua segunda aula. Chovia muito e só tinha você e mais um. Você curtiu, ganhou parabéns, foi ótimo.

AAAAAAAAAAAAAMIGAS MÃES

Mais tarde, tia Laura e Lucas e tia Lidi e Sarinha foram em casa. Tadinhas, enfrentaram muito trânsito - a tia Lidi então, nem se fala - mas não desistiram! E ainda chegaram com presente! Fala sério, filho! Essas amigas-mães! Te deram uma mega piscinha com cesta de basquete e bolas, que agora ocupa boa parte da nossa sala. Vamos levá-la logo logo para o quintal.
A Vitória, sua amiga vizinha, deu uma passadinha rápida.
Érika, Mariah, Fê, Ju (do vô, que ligou até no seu primeiro mês de vida!), Renata Bastos, Alexandre, tia Gi (da praia), ligaram para dar os parabéns. E a gente sabe que mesmo quem não conseguiu falar pensou em você com carinho!
As meninas e os amigos ficaram em casa até umas nove da noite. Foi o máximo, vocês andaram de um lado pro outro, se divertiram. Depois, cantamos parabéns.
Mamãe amou o fim de tarde! Elas foram demais.

(Tia Laura só apareceu no vídeo!)

11 de fevereiro de 2010

10.275 kg, 75,5 cm

Mamãe ainda vai escrever sobre o seu primeiro aniversário, uma marca importantíssima, mas faltou registrar as medidas oficializadas pelo pediatra na última consulta, dia 05 de fevereiro.

Está pesando 10.275 kg e medindo 75,5 cm. O Dr. Fran ficou em dúvida entre 75 e 76, porque você mexeu bastante... Por isso, acabou levando o 0,5 de quebra, o que te fez ficar esse pouquinho aí acima da média!
De novo, tá de parabéns! Em um ano nunca gripou, não adoeceu, teve só um dia de febre e dois de inapetência por causa da tal estomatite herpética, que talvez nem tenha sido aquilo mesmo.
Sobre ranger os dentes, ele disse que é a fase de reconhecimento da novidade.

Voltamos com as bolinhas contra picada de pernilongo, mudança de leite (agora vamos para o Ninho 1+) e cálcio.
Que orgulho! Viva o leite materno!

7 de fevereiro de 2010

Os primeiros passos do Rafael!

video


Ontem, no dia do aniversário do pai, você começou a dar uns cinco passinhos...hoje, 07 de fevereiro, andou! E olha que esse vídeo aí era do fim da maratona, 21h30 da noite, depois de passar o dia inteiro se exercitando. Não demonstra, mas já devia estar morto!
Eu nem sei descrever a nossa vibração com essa sua conquista. Parecia até quando você nasceu, de tanta felicidade! No clube, você pegou fogo. Eu e seu pai éramos dois bobos, babões, eufóricos. Ficávamos te cercando, mas você queria mesmo era se equilibrar e ir longe, sozinho. Chamou atenção até de quem passava. Acho que alguns perceberam que nós estávamos ali, conquistando mais uma vitória com você. Teve um senhor que passou e disse algo do tipo: "Esse é um momento importante... de muito esforço, difícil!". Como diz o pediatra, você tentou no mínimo umas trezentas vezes até conseguir... já pensou se pra tudo na vida tivéssemos essa determinação?!
Você está de parabéns porque é obstinado, destemido, corajoso! E também tem noção da conquista, porque comemora quando consegue ir até um destino sem cair. Acho até que tem uma estratégia, porque levanta as mãozinhas para ajudar no equilíbrio quando está mais difícil e se precisar, pára (preciso desse acento!) para concentrar. Mas não desiste! Nós estamos orgulhosíssimos de você! E felizes por termos acompanhado os primeiros passinhos. Ninguém nos roubou esse momento! Ele é nosso, filho!


Versão 2010 - é tudo muito rápido!

Antes que chegue seu aniversário, preciso registrar as inúmeras mudanças que aconteceram desde o fim do ano, quando você ainda tinha 10 meses e agora, no décimo primeiro.
No Natal você ainda era o Rafael que engatinhava. Mas rodou a casa da vovó e da Tia Gá toda, quando fomos lá. Na casa do vô Lu não deu, porque você estava podre de sono e acabou dormindo. No colo do vô Marcos, não aceitou ser colocado na cama.
No Ano Novo, já estava mais rápido na casa da Vó Nair e do vô Gripino, com a família paterna. Mas foi voltando que o negócio acelerou. Filho, você chegou de lá um furacão! Engatinhando com toda a velocidade... se enfiou debaixo da árvore de Natal um dia que eu nem acreditei!
Pouco tempo depois, no fim de semana que o vô Marcos e a Ju vieram você já era outro. Foi ali que começou a subir os primeiros degraus da escada.
Mas, de um fim de semana para o outro, já subia a escada inteira! Estimulado pelo pai, claro, que achou o máximo. Fomos obrigados a comprar a cerquinha da escada e compramos também um andador, que eu costumo comparar com aqueles protótipos de recuperação fisioterápica. No início, fim de semana de 04 de janeiro, você desembestava no negócio. Achei até que a Fisher and Price tinha errado no brinquedo. Na verdade, eles tinham que oferecer alguma coisa para colocar nas rodas para diminuir a velocidade enquanto o bebê não tem domínio... Eu ficava atrás, curvada, te segurando. Como tenho feito agora com os primeiros passos... umas duas semanas depois você já estava administrando melhor o ritmo. No domingo passado, cheguei do plantão e seu pai disse: "Pri, ele já está andando sozinho com o andador!" Não acreditei! No dia seguinte, a babá anuncia: "Agora começou a desviar dos obstáculos!" É muito fofo. Vc pega o troço e vira para direção que quer. Não fica preso. Uns dois dias depois, no início de fevereiro, já estava soltando o andador para se equilibrar de pé. Vibrava! E o dia em que batia no bumbo, se equilibrava e batia as duas mãozinhas no peito?!" Inacreditável.
Bem, cada criança tem o seu tempo. Uns andam antes, outros depois... mas nós estamos felicíssimos com você. 9 meses: os dois primeiros dentes; 10 meses, engatinhou; 11 meses: 6 dentes e andou! Maravilha! Parabéns!!! O aniversário tá chegando aí. Falta pouquíssimo, menos de uma semana!