30 de setembro de 2009

Pãe



Rafael, você tem um pai que gostaria de ser mãe, não tenho dúvidas. Por isso, de uns tempos para cá, tenho o chamado de PÃE.
Ele sempre foi presente, desde o seu nascimento. Nunca fugiu do serviço e sempre gostou de se dedicar a você. Brinca, cuida, te ensina coisas, fica sozinho com você quando precisa e é o responsável pelo seu acervo de brinquedos, além de tudo mais do enxoval, que foi ele quem comprou. Ele te acha um fofo, diz que você vai ficar um menino "muito bonito" e outro dia disse que você é "cool", pra elogiar o seu jeito. (Bem que você podia ser cool o tempo todo, porque quando fica bravo e inventa de chorar forte é de enlouquecer!)
Quase toda semana ele chega com uma surpresa em casa. Comprou a vaquinha de corda para pendurar no carrinho, depois o ursinho para gente não enjoar da música; comprou todos os bichinhos de apertar pra fazer barulho, os chocalinhos, os tapetinhos de borracha para o chão, a galinha tipo fantoche do Cocoricó, o pintinho de colocar no cadeirão e o livrinho também... Entre outros tantos. Na hora do banho, quando te vê na banheira sem nada, vai lá e busca todos os bichinhos de banheira e despeja na água! Hahaha! Você tem brinquedos para perder de vista, graças a ele.
De uns tempos pra cá, ele tem uma função que eu não posso substituir: a de te ninar de madrugada. No dia que cheguei antes, você urrou no meu colo antes de ganhar o peito. Sente o meu cheiro e não aceita ser ninado. Com ele é diferente.
Desde o início, eu dizia que ele queria ser a mãe, só faltava ter peito.
No fim de semana do dia 19 de setembro, o primeiro depois que vc começou a jantar, me pregou uma peça! Não tenho conseguido fazer você abrir a boca com boa vontade para comer a papinha comigo. A babá também peleja, mas consegue. Comigo você tranca! Será que é porque me associa com o peito, já que ainda mama? Vai saber... Bem, o almoço já tinha sido uma frustração, daí pedi pro seu pai te dar o jantar. Foi inacreditável. Ele dizia: "filho, ó o papá..." E você, desde a primeira colherada, abriu o bocão. A gente morreu de rir. Nem eu acreditei. Depois você empacou, mas por um tempo fez com ele o que nunca fez comigo. Agora, quando a babá não está, a função fica com ele. Eu chego só para frutinha, que você come com o maior gosto.
Tem mais: quando você tá chatinho, chorão no fim do dia e a mamãe não aguenta ficar com você pra lá e pra cá, o papai chega como uma miragem. Você abre o sorriso, ama! Se ele chega com você mamando à noite e você percebe a movimentação, para tudo. Chega a me machucar se ele fica no quarto, porque quer mamar, mas também quer olhar pra ele...
Mais: quando começou o inverno, foi por causa dele que ligamos o aquecedor. Se o tempo não estiver fervendo, ele acha que você vai passar frio. E o pior: já peguei o aquecedor ligado em noites que eu tinha pedido para deixar desligado. É que se a temperatura estiver em torno dos 22 graus, com o aquecedor ligado você sua em bicas. Aliás, sua quase toda noite, mesmo nas frias. Além do aquecedor, tem o macacãozinho, o cobertorzinho... e as suas movimentações. Mas o caso é que o seu pãe é quem escolhe. Mesmo quando eu peço para não ligar o aquecedor, ele liga se achar que deve. Já passei pelo seu quarto numa madrugada dessas e vi o aparelho ligadinho. Ou seja, ele aproveitou que eu fui dormir antes e deixou do jeito que queria. É pãe demais, gente!
E, como nem a sua mãe é perfeita, seu pai também tem umas "dificuldadezinhas". Ele dá umas provocadinhas básicas na mamãe de vez em quando ao, por exemplo, te jogar pra cima do jeito que eu quase morro ao ver... outras vezes, burla a cobertinha que coloco na sua cabecinha ao sair do banheiro quente. Além disso, como tem sido dele a função de te colocar pra arrotar depois da mamada noturna e te levar pra a cama (atenção: mamãe sempre acompanha, arruma o bercinho, bota o cobertorzinho com o lençol e tudo mais), às vezes ele se excede. Outro dia achou que eu estava demorando em ajeitar o bercinho. Vira e mexe acha que deixei a luz muito intensa (fala sério! Justo eu, a mãe?! Até parece que vou errar a mão desse jeito!). Essa madrugada, eu disse que ia tirar o cobertor, já que o aquecedor esquenta demais. Me baseei pelo nosso quarto... ele fez: "Não vai deixar o menino com frio, hein?! Você tem mania!". Ah, me poupe, filho! Mania? Desde quando você tem ficado gripado, com nariz entupido, doente, graças aos descuidos da sua mãe? Nunca!
Mas pãe é pãe!

Um comentário:

Priscilla e Marco disse...

Filho, como você pode reparar, quem manda mesmo é a mamãe. Papai só obedece (tem juízo!).
bjs